Montadoras de carros elétricos usam blockchain para evitar matérias primas envolvidas com violações de direitos humanos

Montadoras de carros elétricos usam blockchain para evitar matérias primas envolvidas com violações de direitos humanos 1

Montadoras de carros elétricos usam blockchain para evitar matérias primas envolvidas com violações de direitos humanos 2

A indústria automobilística de carros elétricos está usando a tecnologia blockchain para evitar que suas baterias de lítio estejam envolvidas em extração de cobalto que viola direitos humanos.

A indústria automobilística de carros elétricos está usando a tecnologia blockchain para evitar que suas baterias de lítio estejam envolvidas em extração de cobalto que viola direitos humanos. A notícia deste domingo é da versão brasileira do portal Reader’s Digest.

Segundo a matéria, a produção da frota global foi de 5,1 milhões de automóveis em 2018, segundo a Agência Internacional de Energia. A discussão sobre a adoção de carros elétricos entra em pauta há mais de uma década, mas as baterias de lítio apresentam problemas por ter elementos nocivos à natureza e outros fruto de força de trabalho com suspeitas de violação de direitos humanos.

Segundo a consultoria Roskill, 70% das baterias produzidas no mundo em 2018 foram para a indústria automotiva, com a China como principal mercado.

O Cobalto é o grande desafio das montadoras com relação à sustentabilidade. A República Democrática do Congo é a principal produtora, com 78% da produção global. Famosa pelos “diamantes de sangue”, a exploração de cobalto no Congo também foi chamada de “cobalto de sangue”, com desrespeito a direitos humanos e trabalho infantil.

Caspar Rawles, analista sênior da Benchmark Mineral Intelligence, fala da dificuldade de controlar a produção do minério:

“A questão é que é muito difícil de rastrear o cobalto ao longo da cadeia de fornecimento, então a indústria de baterias pode, inadvertidamente, estar comprando material proveniente desse tipo de mineração.”

Uma parceria entre as gigantes IBM, Ford, LG Chem e Huayou Cobalt e a auditoria RCS Global está fazendo um projeto-piloto para monitorar cada movimentação de cobalto na cadeia produtiva através da blockchain.

A rede certifica as condições de trabalho de quem minera, registrando no sistema o lote comercializado segundo suas características minerais únicas. Já no processo de refinaria, o lote é processado e sua entrada e venda são novamente registradas no sistema. Carlos Rischioto, líder técnico de blockchain da IBM Brasil, comenta a iniciativa:

“O piloto está em teste, a intenção é expandir para outros minérios e também para pequenas fornecedoras. As pequenas mineradoras, que operam legalmente, têm dificuldade de provar a segurança dos seus recursos e fechar contratos com grandes consumidores. A blockchain pode ajudá-las nisso.”

Como noticiou o Cointelegraph Brasil, IBM foi responsável pelo primeiro registro de certidão de nascimento em blockchain no Brasil.




What do you think?

0 points
Upvote Downvote

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

O que é e como funcionam as criptomoedas que podem ser 'queimadas' 21

O que é e como funcionam as criptomoedas que podem ser ‘queimadas’

Exchange Kraken lança app para smartphones 22

Exchange Kraken lança app para smartphones