Hackers se unem à Polícia Federal em investigação contra Unick Forex, Indeal e Goodream

Hackers se unem à Polícia Federal em investigação contra Unick Forex, Indeal e Goodream 1

Hackers se unem à Polícia Federal em investigação contra Unick Forex, Indeal e Goodream 2
Foto: Polícia Federal/Divulgação
Hackers se unem à Polícia Federal em investigação contra Unick Forex, Indeal e Goodream 3
Hackers se unem à Polícia Federal em investigação contra Unick Forex, Indeal e Goodream 4

Um grupo anônimo de hackers tem ajudado autoridades em investigações sobre empresas que atuam em esquema de pirâmide financeira e que captam recursos por meio de investimentos duvidosos. Segundo reportagem do Estadão, esse tipo de negócio já atraiu mais de 4 milhões de pessoas.

A matéria, publicada na quarta-feira (17), começa descrevendo dois dos maiores golpes financeiros que já aconteceram no país, Boi Gordo e Telexfree. A primeira, enganou 30 mil pessoas e o prejuízo aos investidores foi de quase R$ 4 bilhões. A segunda, a famosa pirâmide dos pacotes de telefonia Voip.

Mas tudo se transforma — as pessoas, as empresas e os produtos. E o que está em discussão agora são os esquemas que envolvem as criptomoedas. As empresas se aproveitam da falta de informação do cidadão sobre o novo mercado e o seduz com promessas de 30, 50 e até mesmo 100% de lucro.

Títulos de renda fixa não costumam render mais de 10% ao ano, por exemplo. Além disso, dada a volatilidade do mercado de criptomoedas não é possível garantir uma renda fixa.

Para ajudar a conter os praticantes do crime, diz o Estadão, que os hackers do bem têm apoiado as ações contra essas empresas de fachada que aniquilam o sonho das pessoas, ainda que ingenuamente — muitas vezes não — pretendem investir o dinheiro do seu trabalho.

Essas empresas estão sob a mira do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e da Procuradoria da Fazenda Nacional e o cerco está se fechando. Segundo a reportagem, os hackers identificaram mais de 50 empresas do tipo ‘pirâmide’, bem como seus líderes, que sempre pulam de um esquema para outro.

No entanto, a matéria comenta apenas sete das empresas identificadas cuja atividades são ilícitas.

Vale lembrar que a seleção foi baseada em um cruzamento de informações conforme investigações oriundas de três autarquias: Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Polícia Federal e de denúncias do Ministério Público.

As empresas são as seguintes: FX Trading, Goodream, Indeal, King Investimentos e Bentley, Nasdacoin, Zero 10 e Unick Forex.

Além da prática ilícita, todas essas empresas têm algo em comum: os líderes já atuaram em empresas anteriores com atividade igual ou duvidosa.

O esquema é sempre o mesmo, diz o texto, e o seu sucesso é que no início de fato há pagamentos elevados aos participantes. Mas o dinheiro vem dos aportes de quem está entrando, não das promessas de investimento.

A reportagem falou a procuradora da Fazenda Ana Paula Bez Batti, que enviou um questionário às exchanges brasileiras em agosto no ano passado. O feedback seria para “subsidiar estudo para Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro”, disse.

Batti disse ao Estadão que um dos fatores da proliferação de crimes dessa natureza é o aproveitamento da falta de leis específicas por empresas de má-fé num mercado onde a pessoa não é obrigada a confirmar sua identidade na abertura de um cadastro.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

Quer receber as principais notícias e análises? Coloque seu e-mail abaixo!





What do you think?

0 points
Upvote Downvote

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

Japão desenvolve plataforma para pagamentos em criptomoedas semelhante ao SWIFT 23

Japão desenvolve plataforma para pagamentos em criptomoedas semelhante ao SWIFT

Libra vai decepcionar economia mundial se não for regulada com firmeza, alerta G7 24

Libra vai decepcionar economia mundial se não for regulada com firmeza, alerta G7